Série I O E. S. no livro de Actos, II- A vinda do E.S. em Jerusalém

SÉRIE I – O ESPÍRITO SANTO NO LIVRO DE ACTOS

Introdução
O tema do Espírito Santo tem sido um assunto de muita controvérsia na igreja ao longo da história. O objectivo destas séries que pretendo escrever vai ser, o de explorar o ministério do Espírito Santo na vida da Igreja e na vida dos indivíduos. Desde que eu entrei no Seminário Nazareno de Cabo-Verde, senti um desafio grande em aprofundar o meu conhecimento nesta temática. Para estas séries o livro da minha preferência vai ser o livro de Actos dos Apóstolos, porque todo o livro gira em torno de actividade divina do Espírito Santo. Esta pesquisa pretende demonstrar que o poder dinâmico do Espírito Santo foi fundamental para capacitar os discípulos e enviando-lhes a proclamar o evangelho em Jerusalém, toda a Judeia e Samaria, e até os confins da terra (Actos 1:8). O ministério do Espírito Santo é indispensável para cada filho de Deus em todas as gerações. Este capítulo introdutório define a base para a análise de como cada um dos termos chave “Espírito Santo” e “missão” é compreendida e desenvolvida por diversos estudiosos da Bíblia à luz de Actos.
O livro de Actos é às vezes chamado de “Os Actos do Espírito Santo, por exemplo, Purkiser disse: “O livro de Actos dos Apóstolos situa-se no coração do Novo Testamento e tem sido chamado por Adolf Harnack como o `livro pivô do Novo Testamento `. Alguns estudiosos têm sugerido que o livro de Actos poderia ser mais apropriadamente intitulado “Os Actos do Espírito Santo”, pois ele contém cerca de 60 referências ao Espírito em seus 28 capítulos. ”
Nestas séries resumirei alguns dos debates abordados pelos defensores da teoria histórica – crítico dos estudos bíblicos.

Desde muito cedo os estudiosos da Bíblia, começaram a lidaram com questões tais como: a autoria, as fontes e efeitos do livro de Actos. Desnecessário dizer que muitas destas questões não foram resolvidas. Provavelmente não será também resolvida na série que pretendo escrever. Nesta série a minha intenção é analisar o livro de Actos, por meio da teoria da narrativa, o que será feito nos próximos capítulos. Através da crítica narrativa tentarei extrair do próprio texto, a unidade que é tida como certa.

Depois desta introdução, iniciaremos a nossa série com a seguinte perguntas: Como é que o Espírito Santo se move na história do livro de Actos? Quais são os acontecimentos relacionados com a vinda do Espírito Santo em Actos?

Do começo ao fim, Actos predominantemente aborda o tema do Espírito Santo. Ele nos mostra o poder do Espírito Santo em acção na vida da Igreja. Nesta primeira série vou explorar sobretudo a maneira pela qual o narrador expressa a actividade do Espírito Santo. Particularmente eu vou analisar o que o narrador sabe do Espírito Santo e como ele se comunica estes conhecimentos aos seus leitores. Nesta série, vou mostrar que o Espírito Santo é o motivo fundamental do livro de Actos. Do começo ao fim, vamos ver como o Espírito Santo santificou os discípulos e deu-lhes poder para proclamar o caminho de Deus.
Em Actos 1:1-8, o narrador deixa claro que a vinda do Espírito Santo foi um presente do Pai, no cumprimento da promessa de Jesus registada em Lucas 24:49. A vinda do Espírito Santo no Pentecostes serve para mostrar o plano de Deus no cumprimento da palavra profética de João Batista sobre o baptismo “no Espírito Santo e fogo” (cf. Lucas 3:16, Actos 1:5). “Esta vinda do Espírito está associada com o dom da profecia (de acordo com vv. 17-18 todos receberão o Espírito profético), e Pedro interpreta o evento em termos de Joel 2:28-32, onde Deus havia prometido derramar o seu Espírito sobre “toda a carne”, isto é, sobre “todo o Israel.” Ao citar as Escrituras Pedro queria mostrar a multidão que o que viu foi a acção de Deus no cumprimento da profecia de Joel. Na primeira frase, um dos temas dominantes de Actos é feito de destaque. Os apóstolos foram dadas instruções através do Espírito Santo (v.2), para serem baptizados com o Espírito Santo (v.5), e eles receberão poder quando o Espírito Santo vier sobre eles (v.8). Marguerat declarou que “Quando Lucas colocou a irrupção do Espírito Santo no início de sua história da Igreja, ele queria expressar uma convicção partilhada por toda a Cristandade primitiva acerca do derramamento do Espírito como uma realidade pós-pascal e isto não tinha nada a ver com o trabalho inicial de Jesus mas sim com o do Cristo ressuscitado (João 15:26, 16:07, 20:22; Gal. 04:06, 2 Coríntios. 03:17 cf. Mat. 28:19-20). ”

Preparação para a vinda do Espírito Santo

Em Actos 1:4 vemos que havia necessidade de preparação dos discípulos para que a promessa do Espírito Santo se cumprisse. Primeiro de tudo precisavam esperar (alguns dias), em Jerusalém após a partida de Jesus para que a vinda do Espírito Santo se cumprisse. Em segundo lugar, eles tinham que ter fé no que o Pai havia prometido.
Todos os discípulos, em obediência ao mandamento de Jesus ficaram em Jerusalém, dedicando eles próprios em constante em oração, no estudo das Escrituras, e, não menos importante, em comunhão. O Espírito desceu sobre os apóstolos 40 dias após a ascensão de Jesus. Os 40 dias serviram como um período de instrução e preparação para realização da vontade de Deus. Era uma maneira de os apóstolos se prepararem para sua missão subsequente. Eles, então, estavam prontos para receberem o Espírito Santo daí a necessidade de um tempo de preparação e encorajamento para a missão que haveriam de exercer. Stott observou que “durante o período de espera de cinquenta dias, eles não ficaram inactivos. Pelo contrário, Lucas destaca quatro eventos importantes que levaram a cabo. Primeiro, eles receberam a comissão (1:6-8). Em segundo lugar, viram Cristo subir para o céu (1:9-12). Em terceiro lugar, eles perseveraram unanimemente em oração, supostamente para que o Espírito viesse (1:13-14). Em quarto lugar, substituíram Judas por Matias como o décimo segundo apóstolo (1:21-26). ”
Espírito Santo como agente Capacitador
O Espírito Santo no livro de Actos é um agente activo que participa em todas as acções deste livro. Em sua narrativa Lucas apresenta-o como um agente que baptiza e habilita os crentes. Marguerat escreveu “o dom do Espírito é a força para testemunhar de Jesus. O desdobramento de toda a missão em Actos confirma a função do Espírito como a habilitação para testemunhar. “No livro de Actos podemos ver que o Espírito Santo sempre manifestava a sua vontade em relação à Igreja através de indivíduos. Por exemplo, em 8:29 o Espírito Santo fala com Filipe, o Evangelista, em 10:19 Ele fala a Pedro, em 13:1-3 Ele fala aos profetas e mestres de Antioquia, em 21:04 Ele fala aos discípulos em Tiro, em 21:10 Ele fala Ágabo, profeta. A expressão “a ser preenchido com” ou “cheio do Espírito Santo” mais frequentemente se refere a indivíduos. O Espírito orienta e controla sempre a Igreja através do ser humano individual, e é aqui onde a ênfase está no livro de Actos.

Em termos de conclusão desta primeira série a minha exortação é: deixe que o Espírito Santo de Deus te use através da missão que Deus te deu como Corpo de Cristo, e sejas uma bênção para tua família, Igreja e Nação.

Deus te abençoe!

Danilo Carvalho

SÉRIE II – A Vinda do Espírito Santo em Jerusalém (Actos 2: 1-13)

Nesta passagem, Lucas narra o que aconteceu no Dia de Pentecostes. Como uma narrativa, esse evento é um pouco incoerente. O Espírito vem sobre os discípulos quando eles estavam reunidos dentro de uma casa com medo dos perseguidores da igreja.

Antes de continuarmos é importante referir que a palavra “Pentecostes” significa “quinquagésimo”. Foi no quinquagésimo dia após a morte do Senhor, que o Espírito Santo desceu à Terra. Esta vinda solene do Espírito Santo não foi um acontecimento isolado, prova esta que todo o Livro de Actos faz referencia d´Ele e da sua influência na vida e acção dos apóstolos a partir da sua inaugural presença. É Ele que fez com que aqueles temerosos discípulos abandonassem o seu refúgio e saíssem inspirados e usando Pedro como porta-voz de uma inspirada pregação pública com que levou mais de 3 mil almas a aceitar a mensagem de Cristo Ressurrecto, e que confirmara a fé dos discípulos (Act. 4: 31), que selara com a sua presença o chamamento dirigido aos gentios ( Act. 10: 44-47), que enviara Paulo e Barnabé para terras distantes, a fim de abrirem novos caminhos à doutrina de Jesus (Act. 13: 2-4).  Segundo Marguerat, Lucas nesta passagem mostra como é que o núcleo Pentecostal torna numa dimensão mundial, em que o Espírito Santo empurre a comunidade dos discípulos a irem para além das fronteiras de Israel, para ir além dos limites da lei, para ultrapassar os limites da Ásia para chegar em Roma, o centro do Mundo. A partir dessa passagem, podemos ver que o primeiro anúncio público do evangelho pelos discípulos foi o impacto da capacitação do Espírito Santo na vida dos discípulos. Barton e Muddiman escreveram: “O primeiro anúncio não é o resultado de um plano de missão consciente, mas um acontecimento divinamente inspirado, que desenha um público curioso. Lucas intensifica o efeito dramático do acontecimento de Pentecostes, deslocando a sua perspectiva narrativa da casa para a rua fora: a multidão mostra toda a reacção da norma à acção divina (vv. 6, 7, 12).

Até então os discípulos estavam concentrados em casa, Jerusalém. Jerusalém na história de Israel era a cidade dos profetas, a cidade dos reis que eram descendentes do Rei David (I Reis 14:21), a cidade elegida pelo próprio Deus para ser cidade para todas as tribos de Israel, e a cidade onde o Seu nome seria reconhecida e adorada. (Jerusalém aparece mais 600 vezes no Velho Testamento)

Não resta dúvidas do que a vinda do Espírito Santo no dia de Pentecostes foi um dos grandes acontecimentos da história do povo de Deus. A sua importância não tem a ver com a sua existência mas sim com a sua universalidade, pois no Velho Testamento temos varias referências da actividade do Espírito Santo. Vemos a sua presença aquando da criação do universo movendo sobre a criação informe em Génesis 1; vemos a sua acção em Job 26:13 participando na criação de um céu justo, etc. etc.

Em Actos o Espírito Santo é dado para capacitação dos discípulos para a obra missionária. Como Stronstad diz, no livro de Actos o Espírito Santo é dado para ungir, para autorizar, ou inspirar os crentes para o serviço Divino. De acordo com Penney o “interesse primário e passiva de Lucas é a obra do Espírito Santo, em iniciando, capacitando e orientando a igreja em sua missão escatológica no mundo inteiro.”

Provavelmente muitos dos leitores vão ficar um pouco desapontado em não ver neste artigo algo sobre “glossa”, sobre o falar das línguas estranhas, mas na verdade não foi esse meu objectivo daí, não falarei acerca desse assunto. O que realmente quero ressaltar nesta vinda do Espírito Santo no dia de Pentecostes é que Deus em derramar o Seu Espírito sobre toda a carne Ele tinha como propósito tornar a sua Igreja numa Igreja Universal. No dia de Pentecostes esse objectivo divino foi atingido.

Em Actos 2: 5-13 vemos que muitas pessoas de diferentes raças e idiomas (línguas) que estavam em Jerusalém escutaram os apóstolos falarem miraculosamente nestas línguas estrangeiras das “grandezas de Deus”. A Boas Novas da Salvação podia assim alcançar rapidamente muitas línguas e nações. A Igreja de Deus Universal foi formada nesse Dia de Pentecostes. Nesse dia acabara de nascer uma Igreja não Judaica mas sim Universal. (1 Cor. 12:12-13). Todos os crentes em Cristo foram formados em “um corpo”e ainda, mais de 3.000 almas foram transformadas pela pregação ungida pelo poder do Espírito Santo e, de imediato foram incorporados nesta Igreja Universal.

Caro amigo, tu podes ter o teu Pentecostes, mesmo neste instante e gozar do mesmo privilégio que aqueles 120 discípulos e mais 3.000 recém-convertidos tiveram aquando da descida do Espírito Santo sobre as suas vidas. O segredo é obedecer e colocar-se a inteira disposição do Deus que enviou o Espírito Santo no dia de Pentecostes.

Deus te abençoe!

Danilo Carvalho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: