A Santidade Cristã e os Reformadores

A Santidade Cristã e os Reformadores

Por Danilo Carvalho
Introdução
Não se pode falar sobre a Reforma, sem primeiro falar da Justificação pela Fé, o qual é o fundamento de toda a Reforma. A Justificação pela fé é “o artigo pelo qual a Igreja se firma ou desapareça.” [1] Trata-se de uma das principais doutrinas que Martinho Lutero, João Calvino e outros reformadores usaram para falar contra as heresias e trazer a igreja de volta para o entendimento de Paulo acerca da Salvação como um dom de Deus.
Desejo começar este estudo com a visão de Lutero acerca da Santidade Cristã e comparar o seu entendimento com a de João Calvino. Neste estudo veremos as diferenças de opiniões entre estes Reformadores e também aquilo que eles tinham em comum.

Martinho Lutero

Martinho Lutero era um monge, teólogo e reformador da igreja. Ele é considerado o pai do Protestantismo. Ele era um líder da grande Reforma Protestante do século XVI. Ele nasceu em Eisleben, na Alemanha a 10 de Novembro de 1483 e faleceu em Eisleben, 18 de fevereiro de 1546.

Justificação pela Fé Apenas

Para Lutero a Justificação é somente pela Fé “Sola Fide”. Esta foi a doutrina principal do pensamento de Lutero, de tal modo que Lutero chegou a dizer que “…é o artigo pelo qual a Igreja se firma ou desaparece. ” Reflectindo seriamente sobre sua vida espiritual ele começou com um estudo profundo da Bíblia, especialmente as cartas de Paulo, onde descobriu que, a nossa salvação depende única e exclusivamente da graça de Deus através da fé. Toon observou que “Lutero acreditava que a doutrina e a experiência pessoal não podem ser separadas. A justificação pela fé surgiu como um conceito claro em sua mente depois de uma pesquisa longa e dolorosa, descobriu um Deus misericordioso que iria aceitá-lo como ele era em vez de condená-lo por causa dos seus pecados. “[2] Num estudo rigoroso da Palavra de Deus Lutero viu o sentido da justiça de Deus, através do livro de Romanos capítulo 1 versículo 17 em que diz: “Visto que a justiça de Deus se revela no evangelho de fé em fé, como está escrito, o justo viverá pela fé” e isto trouxe-lhe uma clara compreensão acerca da salvação.

A Justiça de Deus
Durante séculos, a Igreja ensinava que a justiça de Deus foi uma justiça pessoal e activa ou sendo é a justiça pela qual Ele pune o pecador, o injusto.
Depois de estudar profundamente a Bíblia e “meditando de noite e dia eu ponderei até que vi a conexão entre a justiça de Deus e a afirmação de que ´ o justo viverá pela sua fé. ´ “[3] Lutero, depois de sua meditação, notou que no final do verso 17do capítulo 1 de Romanos Paulo não estava a falar sobre a justiça passiva, exigida por Deus, mas sim a justiça passiva que Ele dá livremente aos que crêem no Evangelho.

A Justiça Extra Terrestre (Cristo) e a Nossa Própria Justiça

Como é que Lutero compreendeu a justiça cristã? Para Lutero, existem dois tipos de justiça: “a primeira é extra terrestre, a de (Cristo) em que a justiça é a justiça de outro, instilada de fora. Esta é a justiça de Cristo, pelo qual ele nos justifica através da fé … O segundo tipo de justiça é a nossa própria justiça, não porque trabalhamos nela sozinha, mas porque trabalhamos com a primeira com a justiça extra terrestre também. “[4] Para Lutero, a justiça de Cristo” é dada aos homens no baptismo, desde que eles estejam realmente arrependidos. Portanto, o homem pode ter confiança em Cristo e dizer: “O meu viver em Cristo, fazendo e falando, do seu sofrimento e morte, de tal modo como se estivesse vivendo, fazendo e falando, são de tal modo como se eu tivesse sofrido e morrido como ele fez. “[5] O pecador é justificado (declarado justo) por Deus através da fé na obra e morte de Jesus, não pela nossa obra ou obediência da lei. Dito de outra forma, o pecador é justificado pela (fé) e não pelas (obras). Lutero também diz que somos salvos pela justiça extra terrestre, “Alien” Cristo,não pela nossa própria justiça.

Lutero disse: “ pensei que o segundo tipo de justiça, a que se refere a nossa própria justiça que “na morte da carne, ela é crucificada com os desejos em relação a si mesmo, e também se consistia no amor ao próximo, numa vida de mansidão e de temor a Deus.” [6]

Justificado, mas pecaminoso

Como vimos acima, através da fé em Cristo todos os crentes são declarados justos por Deus, baseado inteiramente na obra de Cristo. Nós somos agora chamados a viver a nossa vida à luz da nossa justificação. Seremos declarados santos em Cristo, somos chamados a viver de acordo com esta nova identidade. Nenhum pecado deve permanecer em quem confia em Deus. Para Lutero, a justiça de Cristo “é primária, é a base, a causa e a fonte de toda a nossa própria justiça e é naturalmente apresentado no lugar da justiça original perdido em Adão.” [7] Lutero observou que, “o que Deus faz, quando aceitamos o perdão e a justificação que Ele nos dá, pois Ele nos declara, pessoalmente, justos, mas isso não significa que temos alguma justiça em nós próprios. Pelo contrário, a justiça que temos é de Cristo, e esta justiça nos é concedida, nos é imputada por Ele. Nós somos declarados justos n´Ele. “[8] Lutero também observou que a imputação da justiça extra terrestre dizia ele,” não é instilada de uma só vez, mas ela começa, depois há um certo progresso, e é finalmente aperfeiçoada até morte. “[9]

Toon disse: “Precisamos entender que pelo facto do homem ser justificado isso não o faz dele um homem justo, mas sim é o movimento ou caminho para a justiça. A nossa justificação ainda não está completa, ela ainda está em construção. “[10]

Na sequência da declaração de Lutero vemos que o crente justificado pode ser justo e, simultaneamente, um pecador, “simul justus et peccator” [11], isto a priori parece ser uma contradição. Por exemplo, Toon sugere que é provavelmente correcto apontar a aparente contradição em afirmar que um cristão pode ao mesmo tempo ser justo e pecadore. “Com referência a Cristo, ele é justo, mas com referência à sua natureza decaída, ele é sempre pecaminoso. No entanto, esta aparente contradição não implica uma situação estática. “[12]

Pecado Original

Tal como Agostinho, Lutero acreditava que a humanidade traz tanto a culpa pelo pecado de Adão como também a doença do pecado, uma vez que foi transferido para  ele por meio da imputação. A imagem de Deus que Adão tinha recebido em sua alma foi substituída, como Pelikan disse, por «a imagem do diabo.” [13], Dr. Noble, citando Paul Basset escreveu: “O pecado original de um homem é como a sua barba, que embora raspando hoje faz com que ele sinta muito bem em torno de sua boca, mas cresce de novo amanhã de manhã. Enquanto o homem viver, esse crescimento de cabelo e barba não pára. Exactamente desta forma, o pecado original permanece em nós, exercitando, enquanto nós vivemos, mas devemos resisti-lo e sempre cortando seu cabelo. “[14] Como Agostinho Lutero acreditava que o pecado original é perdoado no baptismo. Noble disse citando Luther “O pecado original é, certamente, perdoado no baptismo, mas não de tal maneira que já não existe. Mas de tal maneira que Deus não nos imputará. “[15]

Sobre a Liberdade Cristã

A compreensão de Lutero da liberdade cristã é resumida na seguinte citação:
“Um cristão é o mais senhor de todos, e sem prejuízo nenhum, um cristão é um servo completamente obediente em tudo, sem prejuízo para todos.” Embora a priori essas afirmações parecem contraditórias, mas, quando elas se encontram elas se encaixam, de forma a servir o nosso propósito. Ambos são as declarações do próprio Paulo, que diz: “Por que eu estou livre de todos os homens, eu me fiz escravo de todos” (1 Cor. 9: 19), e: “A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, excepto para amar um ao outro. “(Rm 13: 8.) Amor por sua própria natureza, está pronto para servir e ser sujeito a quem é amado. Assim Cristo, embora fosse o Senhor de todos, foi “nascido de mulher, nascido sob a lei” (Gal.4: 14) e, portanto, foi ao mesmo tempo um homem livre e um servo, “sob a forma de Deus” e “de um servo” (Fl 2,6-7). Devido a esta diversidade da natureza das Escrituras em afirmar coisas contraditórias sobre o mesmo homem, uma vez que estes dois homens num mesmo homem contradizem uns aos outros, ‘pois os desejos da carne são contra o Espírito, e os desejos do Espírito são contra a carne “(Gl 5:17). [16]

A doutrina de Lutero da liberdade cristã está centrada na Palavra de Deus. Para Lutero, a Palavra é o evangelho de Deus acerca de seu Filho, que se fez carne, sofreu, ressuscitou dos mortos, e foi glorificado por meio do Espírito que O santifica.

A liberdade do Amor
Na opinião de Lutero, um homem deve ser justo antes que ele faça um bom trabalho. “As boas obras não fazem um bom homem, mas um homem bom faz boas obras; as obras más não fazem um homem mau, mas o homem ímpio faz más obras.” [17] Nesse entendimento, podemos ver que a justificação deve preceder a justiça. Para Lutero a fé sozinha é suficiente para a salvação, eu não preciso de nada, excepto a fé como o exercício do poder e do domínio da sua própria liberdade, e essa fé é verdadeiramente activada através do amor. Todos os crentes devem seguir o exemplo de Cristo (Fp 2:16), que se limitou a si próprio por amor e “sujeitou-se a todos”. Lutero condenou aqueles que por sua vez usa da liberdade da fé como “uma ocasião para a carne”, pensando que tudo é permitido e não se preocupar com as coisas prescritas em leis e tradições que podem ser a essência da nossa fé [18].

Perfeição Cristã

Lutero reflectia a posição Agostiniana de que o pecado continua até a morte da humanidade e, portanto, a perfeição espiritual é impossível nessa vida. Flew observou que, para Lutero, “o estado de perfeição é ter uma fé viva, que despreza a morte, a vida a glória, e todo o mundo, e vive em crescente amor como o servo de todos os homens.” [19] Perfeição para Lutero é a perfeição da fé. No entanto, Bassett sugeriu que “Lutero é bastante claro, para ele, Deus é quem imputa ao crente a inteira santificação, santidade cristã.” [20]

João Calvino (1509 – 1564)

João Calvino foi um teólogo francês e, como Lutero, era um espírito orientador da Reforma Protestante que se tornou parte da Civilização Ocidental. Ele nasceu em Noyon, na Picardia, em França, no dia 10 de Julho 1509. No seu Instituto da Religião Cristã, Calvino procurou articular a teologia bíblica de uma forma sensata, seguindo os artigos dos Credos dos Apóstolos. Ele descreveu a justificação pela fé como “articulação em que todas as verdadeiras religiões se transforma” [21].

A justificação pela Fé versus Obras

Tal como em Lutero, a justificação tem um lugar importante na doutrina de Calvino. Para Calvino a justificação “é o fundamento principal em que a religião deve ser apoiado, por isso exige maior cuidado e atenção.” [22] Na declaração seguinte, podemos ver como Calvino entendia a justificação. Segundo ele

“Um homem é dito ser justificada aos olhos de Deus, quando no julgamento de Deus, ele é considerado justo e é aceito por conta de sua justiça.” Ele justifica que o homem não é considerado como um pecador, mas como justo, como um homem inocente, quando for cobrado a sua divida será achada justificada, daí é removido da lista de pecadores, pois ele tem Deus como testemunha e promotor da sua justiça. Da mesma forma, o homem será dito ser justificado pelas obras, se em sua vida não for encontrado um grau de pureza e santidade, de tal modo que merece um atestado de justiça no trono de Deus, ou se pela perfeição das suas obras, ele pode responder e satisfazer a justiça divina. De contrário, um homem será justificado pela fé, quando for excluída a justiça das obras, e pela fé se apoderar da justiça de Cristo e revestir-se dela passando assim aos olhos de Deus a ser visto não como um pecador, mas como justo. Assim, podemos simplesmente interpretar a justificação como a aceitação com que Deus nos recebe em seu favor como se fôssemos justos. E nós dizemos que esta justificação consiste no perdão dos pecados e na imputação da justiça de Cristo. [23]

Arrependimento ou Regeneração

Para Calvino,

O arrependimento consiste em duas partes, a mortificação e vivificação. Por mortificação significa sofrimento da alma e do terror, produzido por uma convicção do pecado e um senso de julgamento divino. Ele também está sinceramente insatisfeito consigo mesmo, confessa que está perdido e desfeito, e gostaria que ele fosse diferente do que ele é. Por vivificação significa o conforto que é produzido pela fé; como quando um homem prostrado por uma consciência do pecado e da ferida e com o temor de Deus, depois vendo a sua bondade e misericórdia, graça e salvação obtida por Cristo, olhar para cima, respira e toma coragem, e passa, por assim dizer, da morte para vida. Ambos destes arrependimentos se obtêm pela união com Cristo. Para o Calvino arrependimento é a regeneração, e seu o único objectivo é formar em nós de novo a imagem de Deus, que foi manchada, e apagada pela transgressão de Adão [24].

Calvino define o arrependimento como uma “verdadeira viragem da nossa vida a Deus, uma mudança que surge a partir de um medo puro e sincero d´Ele, e consiste na mortificação da nossa carne e do velho homem, e na vivificação do Espírito” [25] Por mortificação Calvino refere-se a nossa consciencialização acerca do pecado, deixando de fazer o mal, renunciando o mundo e lançando fora o “velho homem “. Por vivificação é colocar o “novo homem” a andar no Espírito, com “o desejo de viver de forma santa e consagrada, um desejo resultante do novo nascimento.” [26]

Pecado Original

Calvino, como Lutero, compreendia o pecado original do mesmo modo que Agostinho. Calvino entendeu o pecado original como uma corrupção hereditária e depravada de toda a humanidade. “É aquela corrupção hereditária em que escritores cristãos deram o nome de pecado original, ou seja, pelo conceito de privação da natureza anteriormente bom e puro.” [27] É importante referir que Calvino não discordava com esta definição, no entanto, ele disse: “eu quero apenas apresentar o que me parece mais concordante com a verdade. Pecado Original, então, pode ser definido como a corrupção e a depravação hereditária de nossa natureza, que se estende a todas as partes da alma, que primeiro nos torna desagradável para a ira de Deus, e, em seguida, produz em nós obras que nas Escrituras são denominados trabalhos da carne. “[28] Por causa da desobediência de Adão toda a raça humana se tornou culpado diante de Deus. Para ele, o pecado original é algo real no ser humano. Nobre diz que “Calvino analisa o ato do pecado original em Génesis 3. Ela começa com a infidelidade (com descrença na Palavra de Deus), prossegue com orgulho e ambição juntamente com a ingratidão, e questões de rebeliões e desobediência dando livre curso à luxúria.”[29]

Justiça ou Santificação

Na opinião de Calvino, a nossa justiça não é de nós mesmos, mas sim justiça de Deus, como resultado da Sua graça. Calvino não vê estilo de vida para os cristãos definitivamente válido salvo a semelhança Cristo. Para Calvino, o reconhecimento do pecado é um passo necessário assim como a necessidade contínua da nossa santificação. “Onde não há reconhecimento da pecaminosidade contínua, não há santificação. A falha em reconhecer nossa pecaminosidade contínua é a incapacidade de amar a Deus com todo nosso coração, com toda a alma e com todas as nossas faculdades, será um impedimento a justificação e santificação. “[30]

Em seu comentário à Epístola aos Romanos Calvino disse: “…ele demonstra, por testemunho de David que a justiça é imputada sem as obras, porque ele declara para que o homem fosse abençoado”, é necessário que a sua transgressão seja perdoada, cujo pecado seja coberto “e” a quem o Senhor não imputar maldade “(Romanos 4:6; Salmos 32:1,2) [31].

Bassett escreve que, “Calvino é muito claro ao insistir na santificação da vida. Ele insiste, na verdade, sobre a inteira santificação. Mas, para ele a inteira santificação inclui o reconhecimento de que nós não somos tudo o que Deus quer que sejamos. Isto implica o reconhecimento de que continuamos em nossos pecados, mas que estamos nos esforçando, pela graça de Deus para ser mais e mais semelhantes a Cristo a medida que a nossa vida vai passando “[32]

Para Calvino a santidade é a meta da vida. Santidade traz uma verdadeira transformação moral e essa transformação não é completa nesta vida. Para ele, “não é a transformação moral que traz a santidade, mas sim a santidade que traz a transformação moral” [33]

Perfeição Cristã

Diferente de Lutero, Calvino escreveu sobre a perfeição cristã no sentido de uma resposta sincera a graça de Deus.  Wallace diz que,
“Calvino descreve em vários termos a perfeição em que temos de alcançar. A perfeição de Deus consiste em sua ´ livre e pura bondade ´ para a superação da maldade e da ingratidão dos homens. Nosso objectivo deve ser, portanto, para responder adequadamente em nossa própria humilde esfera para esta graça perfeita, no qual Deus se ofereceu a si própria para nós. É óbvio que, para Calvino a perfeição cristã é a perfeição da fé, porque Deus não pode pedir mais de nós do que isso, senão que tenhamos a fé nas Suas promessas e torná-la o fundamento da nossa vida e salvação. Esta perfeição se manifestará em sincera abnegação, em conformar-nos à vontade de Deus quando ela vai contrariamente ao julgamento da nossa mente e desejo do nosso coração, e, tendo o jugo da aflição sem revolta, agradando a Deus mesmo quando vem sobre nós problemas de vários tipos. Para Calvino tal perfeição é inatingível nesta vida, mas devemos nos esforçar para ela. Nunca seremos sinceros de todo o coração em nossa resposta a Jesus Cristo. O Espírito Santo nunca é capaz de ocupar totalidade de nós. Para Calvino, o cristão perfeito é aquele que, consciente do seu pecado e miséria, tem aprendido a viver pela graça [34].

Calvino acreditava que os eleitos são chamados a levar uma vida santa e produzir frutos dignos de arrependimento, ou seja, “piedade para com Deus, a caridade para com os homens e uma vida inteira de santidade e pureza.” [35]
Eleição

Antes das minhas conclusões gostaria de mencionar a doutrina de Calvino da eleição. Calvino define eleição “como a predestinação, o decreto de Deus, em que Ele afixou para si próprio, e que ele quisesse que cada homem se torne. Nem todos são criados em igual condição, e que vida eterna é preordenado para alguns, a condenação eterna para os outros “[36] Apesar da sua importância não vou desenvolver esta temática nesta apresentação, ficará para uma próxima oportunidade.

Conclusão e um breve resumo

Calvino, comungava da mesma opinião de Martinho Lutero em que acreditava que a Bíblia era a única regra para uma vida de fé e doutrina da justificação pela fé. Para ambos os cristãos nunca atingirão a perfeição, vivendo sem pecado nesta vida. Ambos defendem que, a santificação e a justificação são obras de Deus. Para Calvino, o reconhecimento do pecado é um passo necessário assim como a necessidade contínua de nossa santificação. Para ele, nós não somos tudo o que Deus quer que sejamos, enquanto não buscarmos a justificação e a santificação.

Para Lutero, não existe justificação sem santificação, podem existir separados em abstracto, mas na vida real elas nunca são separadas. Para Calvino é através da justificação e santificação que nós nos percebemos ser unidos em Cristo, e elas são inseparáveis. Para Lutero, existem dois tipos de justiça, a justiça alienígena (extra terrestre) e nossa justiça própria. Para Calvino a nossa santidade traz uma verdadeira transformação moral e essa transformação não é completa nesta vida. Para Lutero, a nossa justiça passa por mortificar a carne e crucificar os desejos em relação a si mesmo, e também ter consciência do amor ao próximo e também viver em mansidão e temor a Deus. Para Lutero a fé só é possível pela graça de Deus, e é resultado da graça de Deus.

(Este trabalho é a tradução e adaptação do meu trabalho em Inglês, com objectivo  responder aos pedidos de muitos colegas que não tem acesso directo ao Inglês. Espero que sirva de algum apoio a vossa reflexão teológica acerca dos pensamentos destes grandes reformadores no tocante a Justificação e Santificação)

Peter, Toon. Justification and Sanctification, 55

Toon, Justification and Sanctification 56

Toon, Justification and Sanctification 56

Luther’s works, Career of the Reformer, p297,299

Luther’s Works p297

Luther’s Works, 299

Luther’s Works, 298, 299

Bassett at all, Exploring Christian Holiness, vol. 2, 157, 158

Luther’s Works, 299

Toon, Justification and Sanctification, 58, 59

Robert W. Godfrey, Reformation Sketches, 28

Toon, Justification and Sanctification 59

Jaroslav, Pelikan. The Reformation of Church and Dogma (1300-1700), 142

A. Noble. European Explorations in Christian Holiness: Doctrine of Original Sin in the Evangelical Reformers, 70

Noble. European Explorations in Christian Holiness, 71

Luther’s Works 31:344

Luther’s Works 31: 361

Luther’s Works 31:372

R. Newton Flew. The Idea of Perfection in Christian Theology. 245

Basset and Greathouse, 164.

Calvin. Institutes of the Christian Religion, volume 2, 47

Calvin Institutes of the Christian Religion, volume 2,

Calvin, Institutes of the Christian Religion, volume 2, 37, 38

Calvin, Institutes of Christian Religion, volume 1, 3:

Calvin, Institutes of the Christian Religion, volume 1, 3:597

Calvin, Institutes of Christian Religion, volume1, 3:595

Calvin, Institutes of the Christian Religion, volume 1, 214

Calvin, Institutes of the Christian Religion, volume 1, 217

Nobel, European Exploration in Christian Holiness, 82

Bassett and Greathouse, Exploring Christian Holiness, volume 2, 175

Calvin, Institutes of the Christian Religion, volume II, 38-

Bassett and Greathouse, Exploring Christian Holiness, volume 2, 175

Bassett and Greathouse, Exploring Christian Holiness, volume 2, 177

Wallace Ronald S. Calvin’s Doctrine of the Christian Life, 321, 322, 323

Calvin Institutes of the Christian Religion, volume II

Calvin Institutes of Christian Religion. III, 21, 5

2 respostas a A Santidade Cristã e os Reformadores

  1. Para o autor: Achei um excelente trabalho,nós cristãos não temos acesso a trabalho desta magnitude
    Parabéns,que Deus continue a usa-lho em estudos aprofundados sobre a religião cristã.

    Que Deus o abençôe.

    Amém.

    • dufreire diz:

      Muito obrigado pelas suas palavras de encorajamento. O meu desejo pessoal é ser um instrumento nas mãos de Deus.
      Que Deus o abencoe grandemente no seu viver cristão.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: